Venezuela age duramente com a mineração de criptografia em meio à pressão energética

Oi galera, prontos para mergulhar no mundo louco das notícias de cripto? Junte-se ao nosso canal do Telegram onde deciframos os mistérios da blockchain e rimos das mudanças de humor imprevisíveis do Bitcoin. É como uma novela, mas com mais drama descentralizado! Não fique de fora, venha com a gente agora e vamos aproveitar a montanha-russa das criptos juntos! 💰🎢

Junte-se ao Telegram


Como pesquisador com experiência em política energética e economia de criptomoedas, considero a decisão do governo venezuelano de desconectar as fazendas de mineração de criptomoedas da rede nacional um desenvolvimento intrigante. A crescente procura de electricidade proveniente destas operações colocou uma pressão significativa no já inconsistente sistema de fornecimento de energia da Venezuela.


O Ministério de Energia e Eletricidade da Venezuela revelou intenções de desconectar as operações de mineração de criptomoedas da rede elétrica do país, a fim de atender à crescente demanda energética e manter um fornecimento consistente de eletricidade para sua população. Esta ação ocorre após o confisco de aproximadamente 2.000 máquinas de mineração de criptomoedas durante uma campanha anticorrupção.

Venezuela intensifica repressão à mineração ilegal de criptografia

Como pesquisador que estuda o setor elétrico na Venezuela, deparei-me com alguns desenvolvimentos dignos de nota. Em resposta à crescente procura de eletricidade, o governo venezuelano tomou uma decisão que afeta as operações de mineração de criptomoedas. Especificamente, serão desligados do Sistema Elétrico Nacional (SEN). A lógica por detrás desta medida é aliviar a carga energética substancial que estas explorações mineiras impõem ao sistema energético. De acordo com AlbertoNews, o Ministério destacou a importância de fornecer serviços elétricos eficientes e confiáveis ​​em toda a Venezuela, aliviando a tensão causada por estas operações de alto consumo.

 

Além disso, esta decisão está alinhada com iniciativas governamentais recentes, como a apreensão de um grande número de dispositivos de mineração. As autoridades afirmam que estas medidas são essenciais para melhorar a estabilidade da rede eléctrica do país, que tem sido imprevisível há mais de uma década. Os cortes persistentes de energia pioraram significativamente desde 2019, impactando negativamente a vida quotidiana dos cidadãos e a economia como um todo.

 

Como analista, percebi que a repressão do governo à mineração de criptomoedas está alinhada com sua campanha anticorrupção mais ampla, resultando na prisão de vários funcionários recentemente. Notavelmente ligado a essas alegações está Joselit Ramírez, ex-chefe da Sunacrip (Superintendência Nacional de Criptoativos). As suas ligações a Tareck El Aissami, uma antiga figura influente no sector petrolífero, acrescentam profundidade à investigação em curso. O próprio El Aissami enfrenta inúmeras acusações, incluindo traição e lavagem de dinheiro.

 

Rafael Lacava, governador do estado de Carabobo, enfatizou a importância do envolvimento da comunidade na erradicação das operações mineiras ilegais. Ele encorajou os moradores locais a trazerem à luz quaisquer suspeitas de atividades não autorizadas, enfatizando que suas ações ajudam a proteger seu próprio fornecimento elétrico. Ao assumir esta postura colaborativa, o governador pretende reforçar as iniciativas nacionais que visam a conservação de energia e a redução do consumo desnecessário de energia.

Crise energética estimula repressão à mineração criptográfica

Como analista, eu diria o seguinte: a mineração de criptomoedas é notoriamente sedenta de poder em escala global. Para salvaguardar as suas redes eléctricas e afectar recursos a serviços essenciais, países como a China e o Cazaquistão impuseram restrições ou proibições definitivas à prática. Em linha com esta abordagem, o governo venezuelano dá prioridade à estabilidade energética em detrimento do crescimento da indústria de cripto-mineração.

 

Os especialistas identificam a manutenção negligenciada e o investimento insuficiente no sistema energético da Venezuela como os principais contribuintes para a persistente crise eléctrica. Embora as autoridades atribuam o problema a danos externos e tenham prometido modernizar a rede, estes compromissos ainda não produziram melhorias visíveis. Consequentemente, as mais recentes iniciativas governamentais centram-se não só na redução dos actuais défices energéticos, mas também na instigação de uma revitalização abrangente do sistema energético da Venezuela a longo prazo.

Analista prevê que ETF Ethereum desencadeará grandes movimentos no mercado de ETH

2024-05-19 04:10